quinta-feira, 23 de junho de 2016

o aroma do nammura revela a tradição libanesa









Para entrar no clim



“Fazia tempo que todo mundo as estimulava a abrir uma confeitaria e rentabilizar seu talento, mas se negavam, alegando que faziam aquilo com carinho para seus conhecidos e que era o amor que adoçava os doces, não o mel ou o açúcar. Embora cada um tivesse seu favorito, o nammura e o mamul eram, sem dúvida, as estrelas dos doces. Quando apareciam em alguma celebração, ouviam-se murmúrios de aprovação, e as pessoas ficavam sem palavras ao saborear a manteiga, as nozes e o mel que derretiam na boca, e os olhos expressavam o supremo êxtase que esses sabores provocavam. ”

                                                                              Mel e Amêndoas de Maha Akhtar
(resenha ao final dapágina)


Queria muito falar sobre um livro que se chama “Dias de Mel” escrito por uma jornalista americana que se casa com um Libanês e acabam indo morar no Líbano. É um livro que, em meio a guerras no oriente médio tem um foco tão carinhoso na cultura alimentar árabe que me fez retomar as minhas raízes e começar a fazer ou voltar a fazer “receitas de família”




Mas, ao procurar o livro lembrei que o havia emprestado; a quem? Não sei. Então, lembrei de uma outra história que também se passa no Líbano e fala em comidas árabes, e se não se derrama como o primeiro, instiga. "Mel e Amêndoas",  de Maha Akhtar.


Neta de Anita Delgado e filha de um  marajá, a  jornalista e escritora Maha Akhtar é autora de Mel e Amêndoas.  





E assim, trago a vocês a receita do Nammoura, exatamente como o meu avô Mohamed Kassim Lauar, natural de Karneil, nas montanhas do Líbano ensinou para a sua nora, minha mãe, que por sua vez me repassou as receitas.

Meu inspirador avô Mohamed Kassim Lauar






NAMMURA


Ingredientes:

4 copos (americano) de semolina
1 copo de açúcar
1 copo de manteiga
+- 2 copos de leite
1 colher de sopa de pó Royal

Modo de Fazer:


Esfregar a semolina, o açúcar e a manteiga com as mãos até se obter uma farofa, juntar o leite, mexendo com uma colher de pau até a consistência de bolo.

Agregar o pó Royal e levar a assar em tabuleiro médio bem untado, até dourar.
Tirar do forno, cortar em losangos e jogar a calda por cima.

Calda:

1 kg  de açúcar – 1 copo (aquele copo que já foi usado na massa)
2 copos de água
Suco de 1 limão
Água de rosas ou flor de laranjeira (opcional)


Mexer bem, até dissolver bem o açúcar e levar ao fogo. Deixar em fogo médio até o ponto 
de fio.



Coluna












Por Karla Milward- cozinheira chefe internacional formada pelo SENAC/CIA de Águas de São Pedro  SP.  Karla comanda a coluna Livro na Panela.


_______________________________________________________________

Resenha do livro: 

O destino e as histórias de seis mulheres acabam se cruzando em um salão de beleza em Beirute, e elas compartilham momentos de solidão, felicidade, medo e frustração. Esse é o pano de fundo de “Mel e Amêndoas”, novo livro da jornalista Maha Akhtar. Mouna Al-Husseini, a atrevida proprietária do salão Cleópatra, luta para sobreviver com o pouco dinheiro que ganha, além de ter de aguentar a rispidez de sua mãe, que a repreende por nunca ter se casado. Já Amal, sua tímida assistente, mantém um segredo a sete chaves. Do outro lado do balcão, suas novas clientes desenvolvem um sentimento de profunda amizade, apesar de suas diferentes procedências sociais, religiosas e culturais: Imaan Sayah, uma importante diplomata libanesa, Nina Abboud, vítima da guerra que ainda não conheceu o verdadeiro amor, Lailah Hayek, uma ex-Miss Líbano infeliz no casamento, e Nadine Safi, esposa de um ex-embaixador e dona de uma calorosa personalidade. Essa narrativa sensível e envolvente, cheia de personagens femininas cativantes e histórias paralelas, leva-nos a caminhar pelas exóticas ruas de Beirute e sentir seus aromas, seus personagens e seus conflitos. (http://www.saraiva.com.br/mel-e-amendoas-4936381.html)

Entrevista com a autora
(em espanhol) 




A vida desta escritora já é uma bela história, veja aqui: