segunda-feira, 24 de outubro de 2016

#Ni Una Menos# no Rio de Janeiro por Ana Carolina Fernandes

Foto Ana Carolina Fernandes 




A Fotografa Ana Carolina Fernandes fez um belo registro, em todos os sentidos, da manifestação no Rio de Janeiro do movimento contra ao feminicídio  "Ni Una Menos", que ocorreu simultaneamente na Argentina, Chile, México, Bolívia, Peru. 

O evento aconteceu no dia 25 de outubro de 2016, como um alerta ao aumento de estupro, seguido de morte de mulheres latinas, tendo como exemplo o recente assassinato de jovem argentina, Lucia Pérez.



Por Ana Carolina Fernandes:


"Uma das coisas mais bonitas do ato de ontem no centro do Rio "Ni Una Menos" foi a grande quantidade de mulheres, meninas e crianças latino - americanas de outros países que não o Brasil.



O espanhol e o português eram como uma mesma língua. 

A dor é universal.





obs: de acordo com a ONU Mulheres, dos 25 países com mais altas taxas de feminicídio do mundo, 14 estão na América Latina e no Caribe. A cada 36 horas uma mulher morre vítima de feminicídio na Argentina. No Brasil, a cada duas horas uma mulher é morta, o que coloca o país na quinta posição do ranking global.
Rio de Janeiro 26 de outubro de 2016
foto: ana carolina fernandes




https://www.facebook.com/andrea.m.machado/videos/10154627105164244/


Ato em solidariedade a série de manifestações feministas que ocorrem simultaneamente no Brasil, Argentina,  Chile e  México.

Feminicídio 

Foi o que levou a vida de Lucía Pérez, de apenas 16 anos, em Mar del Plata. Dois homens a drogaram. Dois homens a estupraram, dois homens a empalaram. Dois homens a assassinaram brutalmente

A cada 36 horas, uma mulher é vítima de feminicídio da Argentina. A cada duas horas, uma mulher é vítima de feminicídio no Brasil.

A dor de Lucía é a dor da mulher argentina. É a dor da mulher latino-americana. É a nossa dor.

Por isso, erguemos nossa voz, seja na Argentina, seja no Chile, seja no México, seja no Brasil.

Ni una a menos

Nos queremos vivas

Toda a solidariedade de nós, brasileiras, às companheiras de outras partes da América Latina.

Se liga, seu machista, a América Latina vai ser toda feminista.