quinta-feira, 10 de novembro de 2016

ONU da alerta máximo para parar de poluir o planeta ou teremos uma tragédia humana

Sebastião Salgado
Por










Duda Fernandes


Co-fundadora da Rede Latitudes e participante da ECO 92 (no Departamento de Informações Públicas- D. P. I.- da ONU) e da Rio +20 como Consultora do PNUD para a Comunicação para a Sustentabilidade dos Locais Oficiais tendo contribuído diretamente no Relatório Final da Rio + 20 e no Manual para a Sustentabilidade de Grandes Eventos da Rio + 20.










Uma tragédia humana já é anunciada, se não pararmos de poluir o planeta, 

alerta a ONU.

Sebastião Salgado




Dia 10/11/2016 o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente- PNUMA- divulgou um relatório, alertando os governos para que redobrem urgentemente os esforços para diminuir as emissões de gases do efeito estufa a fim de evitar uma "tragédia humana" causada pela mudança climática.

"Se não começarmos a adotar ações adicionais a partir de agora, já na próxima reunião para o clima em Marrakesh, sofreremos uma tragédia humana inevitável", afirma o chefe da Pnuma, Erik Solheim, no documento.

Apesar dos fortes compromissos do Acordo de Paris, os esforços prometidos ainda estão aquém dos desafios climáticos. Um relatório da agência ambiental da ONU (Pnuma) divulgado nesta semana mostrou que o planeta está caminhando para um aumento médio de temperatura entre 2,9°C a 3,4°C neste século.

Dia 11/11/2016 , sexta-feira,  entra em vigor o acordo de Paris, assinado por 196 países durante a 21ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP21), na França, que foi realizada em dezembro de 2015.


Mayr Assir 


"O aumento do número de refugiados do clima atingidos pela fome, pobreza, doenças e conflitos será um lembrete constante de nosso fracasso", diz Solheim.







http://www.imagenswiki.com/animais


De acordo com o mais recente relatório do Living Planet Index, do World Wildlife Fund (WWF), o número de animais selvagens que vivem na Terra deverá cair em dois terços até 2020, se nada for feito para reduzir o impacto das ações humanas. A análise do relatório indica que as populações de animais caíram 58% entre 1970 a 2012, com perdas em vias de alcançar 67% em 2020. 




http://www.imagenswiki.com/animais


Todas estas questões que estão interligadas como aquecimento global, fome, enchentes, aumento do nível do mar, imigração (...) estão na pauta da COP 22, que está acontecendo desde o dia 7 de novembro e vai até o dia 18 na cidade de Marrakesh no Marrocos.

O relatório da Pnuma e tema central da COP 22, analisa o chamado orçamento de carbono global – o total de gases causadores do efeito estufa que a humanidade pode ainda adicionar à atmosfera sem elevar as temperaturas acima dos limites do aquecimento capaz de gerar destruição.

A princípio o teto estabelecido era de 2ºC acima dos níveis pré-industriais, porém, diante das catástrofes consecutivas que o planeta vem sofrendo, deu o alerta máximo e já fez a ONU, em um ano, desde a COP 21 ocorrida em 2015, baixar o limite máximo 1,5ºC, se possível. Só para você sentir que o tema está literalmente  esquentando.


Qual é a importância da Cop 22?




Em dezembro de 2015, na França, foi criado o primeiro acordo universal de combate às mudanças climáticas (COP 22). Agora, é chegada a hora de transformar as promessas em prática, missão da COP 22

Na sexta (4), o Acordo de Paris entrou em vigor para os 97 países que já ratificaram o documento e que respondem por pelo menos 65% das emissões globais de gases de efeito estufa, vilões do aquecimento global.

Ao longo das próximas duas semanas, os países discutirão os caminhos para a regulamentação do acordo climático universal, para garantir que até o final do século, os estragos não ultrapassem o limite estabelecido de 2 graus Celsius (ºC) em relação ao período pré-industrial.

Um dos pontos mais importantes da COP 22 é a discussão de mecanismos de financiamento que ajudem países em desenvolvimento a colocar na prática estratégias para a redução da emissão desses gases como energia eólica, energia solar (...). Em resumo os países ricos devem financiar os pobres com US$ 100 bilhões por ano a partir de 2020.  Qual processo garantirá o acesso das nações a esses recursos e como acelerar essa transferência serão pontos-chave na conferência.



Para o acordo de Paris, cada nação apresentou um conjunto de objetivos relativos à redução de emissões e à adaptação aos fenômenos climáticos extremos. Mas quantos desses planos são realmente exequíveis e a que custo são questões que ainda precisam ser detalhadas. (Fonte: Exame)


A COP 22 vai discutir a criação de um sistema comum de reporte transparente e confiável capaz de traduzir, com uniformidade, os esforços de cada país.

Os Índios são o notório Saber da nossa sobrevivência


 
A ONG @movimentogotadagua pede para que você coloque essa foto no seu perfil do FB para apoiar a causa 
 

Os povos da terra são o nosso patrimônio imaterial (Conceito da UNESCO) e sem dúvida os salvadores da pátria, ou melhor, do planeta (Fonte: http://movimentogotadagua.com.br/).





http://movimentogotadagua.com.br/





@movimentogotadagua- coloque essa foto no seu perfil


Por isso, líderes indígenas de florestas tropicais na África, Ásia e América Latina estão lá na COP22. Todos os debates e tecnologias convergem para o reconhecimento da vida sustentável do notório saber, que somente os povos primitivos detêm. 

Marcelo Casal Jr. / Agência Brasil 



Desde os conhecimentos medicinais, espirituais, até o manejo das florestas e águas (rios e mares) são conhecimento dos povos da terra, e é esse reconhecimento e validação que os índios querem e merecem. Preservar a sua cultura e suas terras e saber aplica-las e  replica-las é uma das ferramentas de sustentabilidade efetiva.


Sebastião Salgado 

Onde tudo começou- de traz para frente- 

Eco 92/ Protocolo de Kyoto/ Rio + 20/

Cop 21/

ECO 92


Sebastião Salgado





A conferência de Estocolmo, realizada em junho de 1972, foi o primeiro grande evento sobre meio ambiente realizado no mundo. Seu objetivo era basicamente o mesmo da Cúpula da Terra de 1992. Esta conferência, bem como o relatório Relatório Brundtland, publicado em 1987, pelas Nações Unidas, lançaram as bases para o ECO-92, ou Rio 92 (como prefere o governo brasileiro).

A intenção, nesse encontro, era introduzir a ideia do desenvolvimento sustentável, um modelo de crescimento econômico menos consumista e mais adequado ao equilíbrio ecológico. 

A diferença entre a conferência de 1972 e a de 1992 pode ser traduzida pela presença maciça de Chefes de Estado na segunda, fator indicativo da importância atribuída à questão ambiental no início da década de 1990.

 Agenda 21



O principal documento produzido na Eco 92 (RIO-92), o Agenda 21 é um documento propondo ações para o desenvolvimento ambientalmente racional. Ele concilia métodos de proteção ambiental, justiça social e eficiência econômica

A Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima constituiu-se num acordo multilateral, que foi assinada e ratificada por mais de 190 países, em 1992 com o objetivo de estabilizar a emissão de gases de efeito estufa, prevenindo uma interferência humana perigosa para o clima do planeta. Neste Acordo, os países-membros reconheceram a mudança global do clima como uma preocupação comum da humanidade e propuseram-se a elaborar uma estratégia global para proteger o sistema climático para gerações presentes e futuras.


Protocolo de Quioto

É aqui que se nasce a primeira proposta concreta de mitigar crédito de carbono que agora na COP 22, em desenvolvimento, debate-se  orçamento do crédito global . 

Esta primeira proposta de crédito de carbono foi apresentada por especialistas brasileiros ;-)  

O protocolo como o próprio nome já diz, foi assinado em Quito no Japão em 1997. E, estabelece aos países industrializados a redução das emissões de dióxido de carbono e outros gases do efeito estufa, ou seja, o protocolo impunha uma meta de redução desses gases na atmosfera. Apenas as nações ricas seriam obrigadas a reduzir suas emissões. E, em contrapartida deveriam pagar aos países que estavam preservando a sua natureza, e colaborando com o clima do planeta.  

Assim, os países em desenvolvimento podem vender créditos pela sujeira que deixaram de fazer. O mercado de créditos de carbono é operado, principalmente, entre as empresas de cada país. Há duas maneiras de participar. Na primeira, segue-se os critérios do Protocolo de Quioto. As empresas criam projetos para reduzir suas emissões e registram esses projetos na ONU. 

Caso realmente surtam efeito, vão render os chamados créditos de carbono: a cada 1 tonelada de CO2 que o projeto deixar de lançar à atmosfera rende 1 crédito para a companhia.

Os créditos podem ser vendidos a empresas de países que já estabelecerem metas de redução para alguns setores industriais – como os da União Européia e o Japão. E essas empresas, as compradoras, utilizam o crédito para contribuir com as metas de seus países, sem reduzir suas emissões.

Então é assim:



Projeto Tropical Flora-
de reflorestamento que ganhou o certificado da ONU (Fonte; www.brasil.gov.br)


1) você cria um projeto de preservação da natureza. Por exemplo, você tem uma fazenda e preserva a floresta desta fazenda;

2) apresenta esta proposta à ONU, que vai avaliar se de fato esta sua ação esta deixando de poluir o planeta, então, calcula quanto de emissão de Gás de Efeito Estufa (GEE) você está deixando de emitir, de poluir... ;

3) Se a ONU avaliar tecnicamente que de fato seu projeto promove a redução da emissão de gases poluentes. Como? pelo Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL);


4) Recebendo então o tal Certificado de Emissões Reduzidas- (CER) - que valida a efetiva promoção da redução de emissão de gases poluentes (GEE);

5) Agora,  o seu projeto tem direito a crédito de carbono, ou seja, você tem crédito para "vender" o seu projeto para países que poluem e portanto têm metas a cumprir-As nações que não conseguirem (ou não desejarem) reduzir suas emissões poderão comprar os CER em países em desenvolvimento e usá-los para cumprir suas obrigações.e(Fonte: Gov Brasileiro).


 Na segunda opção, os créditos são colocados à venda em bolsas independentes, como a Bolsa do Clima de Chicago ou a Bolsa de Mercadorias e Futuros brasileira.




Sobre a Rio+20





Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20, foi realizada de 13 a 22 de junho de 2012, na cidade do Rio de Janeiro. A Rio+20 foi assim conhecida porque marcou os vinte anos de realização da Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento (Rio-92) e contribuiu para definir a agenda do desenvolvimento sustentável para as próximas décadas.

O objetivo da Conferência foi a renovação do compromisso político com o desenvolvimento sustentável, por meio da avaliação do progresso e das lacunas na implementação das decisões adotadas pelas principais cúpulas sobre o assunto e do tratamento de temas novos e emergentes.


COP 21




De 30 de novembro a 11 de dezembro de 2015 aconteceu em Paris, França, a 21ª Conferência das Partes (COP-21) da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC) e a 11ª Reunião das Partes no Protocolo de Quioto (MOP-11).

Foi adotado por consenso o novo acordo global para o combate dos efeitos das mudanças climáticas, bem como a redução das emissões de gases de efeito estufa.

O documento, chamado de Acordo de Paris, foi ratificado e foi daí que se estabeleceu o teto máximo de temperatura permitida no planeta de 2ºC, buscando ainda esforços para limitar o aumento da temperatura a 1,5 ° C acima dos níveis pré-industriais.

Agora a COP 22, que está acontecendo vai propor de como sair da teoria para a prática. Vamos ficar atentos.

E como eu posso contribuir?



Ok, sabemos que depois de ler e ficar a par do risco que estamos correndo, dá uma certa angústia de saber que o seu futuro está sendo decidido pelo alto escalão dos governos mundiais e você aqui de pés e mãos atados. Então, colocamos abaixo o link do material que oficial que eu e minha equipe desenvolvemos durante a Rio + 20, ou também, disponibilizamos aqui as  10 dicas que a ONG Akatu sugere.

Agora, você está efetivamente fazendo parte direta e ajudando efetivamente a concretizar na prática, todos os esforços através de todos esses encontros que a ONU vêm ao longo de anos realizando para salvar o planeta.



Anota



DIMINUIR O CONSUMO DE CARNE E LEITE DE ORIGEM BOVINA





Em seu processo de digestão, bois e vacas emitem metano, um gás 21 vezes mais poderoso que o gás carbônico em termos de efeito estufa.



 PREFERIR PRODUTOS DE MADEIRA CERTIFICADA






A destruição das matas nativas é a maior fonte de emissão de gases de efeito estufa no Brasil. E a maior parte de toda madeira extraída ilegalmente é vendida no próprio mercado brasileiro. Você pode... Comprar apenas produtos e materiais de construção feitos com madeira certificada, aqueles que têm o selo FSC, ou o de madeira de reflorestamento.


USAR ÁLCOOL COMO COMBUSTÍVEL E ANDAR MENOS DE AUTOMÓVEL



Sinalização Educativa desenvolvida por Duda Fernandes para a ONU ( Rio + 20)



A queima dos combustíveis fósseis, como gasolina e diesel, é uma das causas do aquecimento global. Um carro médio a gasolina que roda trinta quilômetros por dia emite, em um ano, uma quantidade de gases de efeito estufa que precisaria de 17 árvores crescendo durante 37 anos para ser absorvida. Você pode... Reduzir o uso do automóvel e utilizar mais o transporte público, a bicicleta ou mesmo ir a pé


COMPRAR DE EMPRESAS QUE EMITEM MENOS GASES DE EFEITO ESTUFA






Muitas empresas estão procurando saber o volume de gases de efeito estufa emitido em seus processos de produção, seja nas fábricas, nos escritórios, na frota de distribuição e até mesmo nas viagens de avião de seus executivos, e estão desenvolvendo ações para reduzir tal emissão. Você pode... Informar-se sobre quais empresas estão fazendo essa análise e adotando práticas para reduzir a emissão de gases de efeito estufa e optar pelos produtos ou serviços dessas empresas. Você pode obter essas informações perguntando às próprias empresas, por meio do seu SAC ou consultando seus sites.

 COMBATER O DESPERDÍCIO


Sinalização Educativa desenvolvida por Duda Fernandes para a ONU ( Rio + 20)



Torneira aberta gasta 46 litros de água por dia e a escasses de água no mundo é uma realidade. 

Restos de comida representam um grande desperdício pois compõem a maior parte do lixo produzido no país. 


O lixo orgânico emite gás metano durante sua decomposição, e o metano é 21 mais potente que o gás carbônico como gerador de efeito estufa.



SABER DE ONDE VEM A SOJA E SEUS DERIVADOS




A plantação de soja tem avançado na Amazônia e no Cerrado, e muitas áreas são desmatadas ilegalmente. O desmatamento é a maior causa da emissão de gases de efeito estufa pelo Brasil. Você pode... Saber a origem da soja ou de seus derivados (como farelo ou lecitina) presentes em vários alimentos, como óleos, sucos, margarinas, chocolates, biscoitos ou ração para animais, e só comprar os produtos que não tiverem origem em áreas desmatadas. Procure essa informação nos sites das empresas ou pergunte a elas pelo seu SAC.

Outra dica é não desperdiçar o óleo ou azeite de cozinha.  Veja como fazer, neste link 
http://brasilescola.uol.com.br/quimica/reciclagem-oleo-cozinha-usado.htm



SEPARAR LIXO PARA RECICLAGEM



Sinalização Educativa desenvolvida por Duda Fernandes para a ONU ( Rio + 20)



Deixar de jogar no lixo materiais como papel, vidro, plástico e alumínio, reciclando-os e usando-os como matéria-prima de novos produtos, é uma das ações mais importantes no Brasil para reduzir a emissão de gases de efeito estufa. Além de a tecnologia da reciclagem estar disponível, isso não trará custos, e sim economia de recursos. Você pode... Separar o lixo na sua casa e encaminhá-lo à reciclagem, incentivando a família, os amigos e os vizinhos a fazerem o mesmo.


(Reprodução de conteúdo livre desde que sejam publicados os créditos do Instituto Akatu e site www.akatu.org.br.)

Segue abaixo o link dos dois documentos da Rio + 20, que colaboramos,  onde você pode estudar também como colaborar: 












































(para entender o mercado de crédito de carbono)