sexta-feira, 10 de junho de 2016

Receita de Moqueca de Ovo na Coluna Livro na Panela




Hoje temos moqueca de que meu rei? de Ovo



“Acabara de comer e beber a tripa forra na sala de jantar, provando todos os pratos, repetindo alguns deles. Num desperdício de comida, ali se exibiam os quitutes baianos, vatapá e efó, abará e caruru, moquecas de siri mole, de camarão, de peixe, acarajé e acaçá, galinha de xinxim e arroz de haussá, além de montes de frangos, perus assados, pernis de porco, postas de peixe frito para algum ignorante que não apreciasse o azeite de dendê (pois como considerava Mirandão de boca cheia e com desprezo, há todo tipo de bruto nesse mundo, sujeitos capazes de qualquer ignomínia).”

                                    Dona Flor e seus dois maridos (Jorge Amado) 







 Jorge Amado é sinônimo de Bahia, suas cores,  cheiros, temperos, sabores, seus homens e  mulheres sensuais, carnais. A busca do prazer se faz presente na sua escrita. O prazer com que os seus personagens cozinham e comem dão fome. E nos fazem  implorar por pimenta, dendê, leite de coco e coentro. 



Procurei por uma receita que os ingredientes fossem fáceis de achar. Não dava para ser uma frigideira de maturi ou uma moqueca de siri mole. E na procura lembrei desta receita , que o meu marido, que é baiano, adora fazer








Moqueca de Ovo





Ingredientes:

  1 cebola grande ralada
  2 tomates grande ralados *
  ½ pimentão cortadinho
  ½ maço de salsa picadinha
  1 maço de coentro picadinho
  1 pedaço de +- 3 cm de gengibre ralado
  3 colheres de sopa de azeite de oliva
  6 colheres de azeite de dendê
  sal, pimenta do reino e pimenta em conserva ou molho de pimenta
  1 xícara de água
  6 ovos






Em uma panela, de preferência de barro, esquente o azeite e metade do dendê, junte a cebola e deixe dourar, coloque então o gengibre, o pimentão, deixe alguns segundos e junte o tomate e metade da salsa e do coentro, tempero com sal e pimenta do reino e tampe para que o tomate se desfaça e o molho apure um pouco. Verta a água e quando ferver coloque os ovos com cuidado, quebrando-os um a um em outra vasilha, para que fiquem bonitos. Tampe a panela e  diminua a fogo. Quinze minutos, mais ou menos, experimente o tempero, corrijindo no que for preciso, coloque as 3 colheres de dendê, um pouquinho do caldo da pimenta em conserva ou do molho de pimenta para dar vida ao prato, salpique com o restante da salsa e do coentro e sirva com arroz branco e se quiser fazer festa, uma farofinha de dendê.

* Corte o tomate ao meio no sentido vertical e rale no ralo grosso com a polpa para o ralo. A pele fica toda na mão, uma maravilha!

Obs.: Eu tenho sempre um caldo feito com cabeças e cascas de camarão que eventualmente uso. Se quiser e não tiver preconceito, lance mão de uma caldinho (saquinho ou tablete).


Colunista- Karla Milward - cozinheira chefe internacional formada pelo SENAC/CIA de Águas de São Pedro  SP. 

quarta-feira, 8 de junho de 2016

A Costa Rica nos representa



https://www.apistudyabroad.com



A Costa Rica é vista como um país-modelo quando o assunto é preservação da natureza. Em meio a muitas medidas tradicionais, destaca-se o uso de mecanismos de mercado para garantir que os membros da sociedade tenham incentivos para cuidar do meio em que vem. Ao invés de regulamentações pesadas para coibir a destruição,   incentivo a práticas sustentáveis. (Fonte http://liberzone.com.br). O famoso PES-  programa de pagamento por serviços ambientais, que remunera produtores rurais familiares e comunidades tradicionais, com o objetivo de incentivar a conservação da natureza, uma espécie do Crédito de arbono (criado pelo Brasil no protocolo de Kioto das Nações Unidas) incentivando diretamente o fornecedor local, enquanto o nosso C.C. é a compensação dos países poluidores que "trocam ' os seus estragos por apoio aos que preservam a natureza.  


http://www.bolsadeviagem.com.br



A partir de entrevistas realizadas com camponeses e ecologistas locais, a jornalista Marilza de Melo Foucher, aponta dois fatores que ainda não tornam esse país o " Das maravilhas" - Industria Hoteleira e o agronegócio.

 As cadeias hoteleiras não estão não investem no recursso natual ha longo prazo, conta a jornalista:  "Para eles a linguagem do eco-turismo é um modo de atrair clientes, entretanto, a preocupação é a rentabilidade, não salvaguarda do meio ambiente. Costa Rica se tornou o paraíso do” ouro verde”. 




O sistema agrícola vem afetando os trabalhadores do campo, especificamente os produtores de ananás, neste exato momento: "A produção intensiva de ananás, fruta nativa, e das bananas, que não são originárias desta área caribenha, vêm causando grandes impactos ambientais e prejudicado a saúde dos trabalhadores rurais e das comunidades que vivem cerca das grandes plantações. Além das péssimas condições de trabalho e de baixos salários."  A plantação de banana, que não é originaria desta área caribenha,  desmatou as florestas e importou pragas. Foucher aponta que os mesmos entrevistados reconhecem os avanços realizados em  relação a outros países da América latina. (http://www.correiodobrasil.com.br/costa-rica-entre-mitos-e-realidade).



O  ambientalista Mario Boza, ex vice-ministro de Ambiente e Energia (1990-1993), fundador dos parques nacionais da Costa Rica,  defende ser preciso estimular a criação de mais áreas privadas, que podem chegar a 15% do território do país e preservar os já existentes parques naturais :  “Já fomos líderes em conservação, mas agora não tanto”, lamentou ao enfatizar que os parques nacionais passam por uma crise por estarem “totalmente descuidados”. (Fonte:  www.oeco.org.br).



http://www.anda.jor.br/




“O Exército Regular da Costa Rica (…) entrega a chave deste quartel às escolas, para que seja convertido num centro cultural.”  (o Presidente, José Figueres Ferrer, 1 de Dezembro de 1948.)



Apesar das críticas este país é um exemplo e vem dando um belo passo rumo ao futuro sustentável.  A Costa Rica que aboliu as suas forças armadas e substituiu as bases militares por escolas, em 2013 se tornou o primeiro país do mundo a fechar seus zoológicos e libertar os animais em cativeiro:  No lugar serão criados parques urbanos ou jardins botânicos para uso da população, sem animais em cativeiro: “Estamos nos livrando das jaulas e reforçando a ideia de que é necessário interagir com a biodiversidade nos parques botânicos de uma forma natural”, diz o ministro do Ambiente René Castro. Bravo! 

http://www.materiaincognita.com.br/





E para finalizar, a Costa Rica oferece programa de voluntariado para a preservação das tartarugas como publicamos aqui na matéria sobre as dicas que Luíza Fernandes nos deu. Dá só uma olhada aqui no link-http://www.redelatitudes.com/2011/01/ferias-na-costa-rica-de-forma-diferente.html 
Luíza Fernandes fez turismo voluntário na Costa Rica 










segunda-feira, 6 de junho de 2016

Tunga o primeiro artista contemporâneo do mundo a ter uma obra no Louvre.

Hoje, dia 6 de junho de 2016 faleceu o artista plástico pernambucano Tunga. 







“Fazer arte é juntar coisas” (Tunga) 




O artista é conhecido pela sua peculiar obra cheia de simbolismos como ossos, crânios, tranças, dedais, agulhas, dentes, recipientes de vidro e líquidos viscosos. (Fonte http://www.select.art.br)


Sua arte faz parte do acervo permanente do Instituto  Inhotim, em Brumadinho, Minas Gerais . http://www.inhotim.org.br/




Galeria Psicoativa Tunga (Inhotim) 







Curiosidade: sua mãe Léa de Barros,  foi uma das mulheres que posou para o célebre quadro "As gêmeas" de Guignard.





As gêmeas de Guinard










I Congresso Nacional de Vida, de 6 a 12 de junho de 2016.


Dicas simples e objetivas 

para a sua vida ser mais sustentável. 







Facebook Congresso"Sustentabilidade é importante demais para ficar entre especialistas e ativistas"(Chicão)





Tendo a definição de que sustentabilidade vai além do meio ambiente e  perpassa os variados setores de nosso cotidiano como saúde, educação, economia, comunicação. - Os mais de 30 palestrantes, nacionais e internacionais, do I Congresso Nacional de Vida Sustentável apresentarão soluções tangíveis e aplicáveis no nosso dia a dia. O evento que acontece entre os dias 6 e 12 de junho,  é online e gratuito. Basta acessar o site www.cnvs.com.br.  e garantir a sua vaga.

O Congresso apresenta ações palpáveis para o nosso dia a dia explica Chicão, cofundador do Coletivo Inovação, entidade que promove práticas sustentáveis e idealizador do 1º CNVS. “Queremos demonstrar práticas sustentáveis que são escalonáveis e percebidas pelo protagonista da mudança. Vamos dar uma nova perspectiva do que é sustentabilidade e como passos diários com o mínimo de tempo geram o máximo de resultados para uma vida mais próspera individual e social”. 

Chicão sabe do que fala, trabalhamos juntos na Rio + 20- Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, onde o biólogo atuou como coordenador de Sustentabilidade, portanto, a Rede Latitudes recomenda!!


I Congresso Nacional de Vida Sustentável
Data: 6 a 12 de junho
Online e gratuito!
Inscrições abertas e programação disponível em www.cnvs.com.br.

Mais informações

imprensa@cnvs.com.br