segunda-feira, 14 de novembro de 2016

Jornalistas do Peru, Costa Rica, México, Argentina e Guatemala mapeiam roubo de obras de artes nos cinco países




Por uma boa causa jornalistas latino-americanos  acabam de criar uma plataforma, Memória Roubada,  para expor o furto de obras de arte e peças histórias desviadas destes países. Até o momento ja somam 4.907 obras e peças desaparecidas, sendo que algumas obras foram leiloadas em casas de Leilão nos Estados Unidos e Europa  😵😢😢😨 

O trabalho investigativo liderado por David Hidalgo, do site peruano Ojo Público, conta com o expertise e parceria dos jornais Plaza Pública (Guatemala), Animal Político (México), La Nación e Chequeados (Argentina). 


Matéria publicada na capa da Ilustrada- Folha de S. P (14 de nov de 2016)

Memoria Robada aqui:


domingo, 13 de novembro de 2016

Imazon cria monitoramento anti desflorestamento e Gisele Bündchen apresenta a situação Amazônia no Nat Geo


foto G1 (Rede Globo) 




Desflorestamento agora possivel de ser evitado pela metodologia criada pelo Imazon






A taxa anual de desmatamento na Amazônia cresceu 24% de agosto de 2014 a julho de 2015, o maior desmatamento desde 2011! segundo o Jornal Folha de S. Paulo (14 de nov de 2016). 

Por conta disso,a ONG Imazon (Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia) criou uma metodologia, SAD (Sistema de Alerta de Desmatamento), para apontar possíveis desmatamentos a curto prazo e se possivel detê-los. Em janeiro de 2017  a ONG pretende apresentar o primeiro relatório deste novo sistema de prevenção. 

A partir de imagens da região, geradas via satélites, pelo Sistema Prodes (do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) e sobrepondo-as aos indícios que a ONG  criou como situações características de estimulo ao desmatamento, como por exemplo: estadas ilegais,  região de hidrelétricas, região propícia ao latifúndio e mineração, tipo de terreno, região (O Pará lidera no desmatamento)  (...) consegue-se um relatório de áreas sujeitas à ação ilegal, de forma mais precisa para deter ou precaver o estrago. 


Para você entender ha dois tipos de áreas protegidas:

1) terras indígenas;
2) unidade de conservação florestal (Federal e Estadual) -  São as mais afetadas. Sete das dez áreas em risco são as de conservação florestal (principalmente nas regiões de São Félix do Xingu e Altamira).

E a avaliação é feita por dois indicadores:

1) ameaça (risco eminente de desmatamento)
2) pressão (devastação em andamento no interior).


Informação:





Se liga ai! Nossa Über Gisele Bündchen mostra na prática o que vem acontecendo na nossa Amazônia, dia 27/11/2016 no Nat Geo. Vamos ver, vamos nos ligar.