segunda-feira, 6 de março de 2017

Reserva do Ibitipoca- destino do eco chique sem culpa e cheio de pegada





Dica de

Cláudia Valéria




















Você está pensando e precisando de um descanso longe de tudo e de todos, no meio do mato. Seu amigo lhe sugere conhecer Ibitipoca, distrito de Lima Duarte (MG). O que te remete? No seu imaginário é um lugar de montanhas, cercado pela mata fechada, com cachoeiras e lagos, desbravado e frequentado por jovens universitários, desprendidos de qualquer luxo, no estilo cabana-fogueira- violão, não é? 




Conceição do Ibitipoca de fato atraiu desbravadores. O primeiro registro que se tem até hoje é datado de 1692 pelo Padre João de Faria Fialho, tratando então de  "Monte de Ebitipoca". No século XVIII forma os contrabandistas de ouro, que criaram uma rota que começava em São João Del Rei, indo até o rio Paraíba do Sul.  Em 1822 foi a vez do botânico Auguste de Saint- Hilarie, fazer pesquisas na terra, merecendo um museu no Parque Estadual do Ibitipoca, abrindo caminho para pesquisadores e universitários. 







Você até já curtiu esse life style, mas, com o passar dos anos, o amor pela vida selvagem ficou impresso na memória daquele casaco velho e desbotado. Mas, a  necessidade de paz e conforto continuam latente. Calma, assim como em alguns vilarejos da rota da turma da "pegada sustentável" e hippies de outrora, Ibitipoca tem atualmente pousadas para todos os gostos.  

Veja essa dica aqui da amiga Cláudia Valéria, que história bacana e rica, em todos os sentidos: 




Um jovem empreendedor vem resolvendo o problema de pessoas como você e, da natureza. Ao longo de anos ele foi adquirindo dezenas de propriedades no entorno do Parque Estadual de Ibitipoca- que tem 1488 hectares e fica cerca de 3 km da entrada de Vila da Conceição do Ibitipoca.






O objetivo desta aquisição gigantesca que soma hoje cerca de 4.000 hectares, se tornando um cinturão verde maior que o próprio Parque do Ibitipoca, é a preservação de espécies nativas, replantio da mesma, e a reinserção dos animais locais. 



Em 2009, com a aquisição da Fazenda do Engenho, o empresário adaptou a sede (datada de 1715)  ao conforto de um hotel; tudo dentro dos 4 Rs da Sustentabilidade. A Reserva do Ibitipoca é focada em REDUZIR o que você compra; REUTILIZAR o que você tem; RECICLAR todo o resto e REPENSAR um mundo sustentável. A pousada está mais para um Relais & Chateaux, do que uma hospedaria para Bandeirantes



Com oito quartos, sem TV para você ter que se sintonizar ao som da natureza, a Reserva tem piso do banheiro aquecido, banheiras de mármore, camas king size, enxoval de algodão egípcio e amenities L’Occitane. 







A cozinha mantem a tradição mineira, preparada no fogão à lenha, mas, com ingredientes orgânicos cujos produtos são cultivados no local. Porém, o menu do jantar vem com a chancela do francês Claude Troisgros. Minas trés chique uai.









Ao seu dispor tem ainda lago, spa com aparelho se Sling (o in do momento mundial na fisioterapia), esculturas (que o dono pesquisou e importou exclusivamente para seu recanto), piscina naturais, cavalos Mangalarga e Anglo-Árabes, bicicletas,varias trilhas e claro, pista de pouso de avião particular- ops, e o credito de carbono será que os hospedes estão mitigando ? ;-) 










Tudo comme il faut ao mundo ecochique, Nó!  



Reserva do Ibitipoca 




Como chegar

O aeroporto comercial mais próximo é o de Juiz de Fora, a 84 km. Do Rio, são aproximadamente 270 km. A Reserva tem uma pista de pouso que pode receber aviões particulares mediante autorização. 


Se o seu bolso não comporta tantas " verdinhas" segue um link com demais pousadas que podem te dar paz sem precisar "gramar". 

http://www.ibitipoca.tur.br/hospedagem/