terça-feira, 4 de abril de 2017

Mexeu com uma mexeu com todas


Por 


Duda Fernandes 















Hoje, dia 04/04/2017  há uma coincidência reflexiva nas redes sociais do Brasil. O Google presta uma homenagem ao 76o aniversário de Chu Ming Silveira que foi uma arquiteta e designer sino-brasileira, criadora do orelhão, telefone público.








 O que me remeteu ao premiado filme "Estrelas Além do Tempo", que expõe mesmo que tardiamente negras que revolucionaram a Nasa.





Este filme me rememorou outro " O Piano" que resumidamente  conta a história da pianista Ada McGrath, uma mulher que não fala desde os seis anos de idade e se muda para a Nova Zelândia. Seu único momento do encontro com as suas emoções era quando tocava o seu instrumento, porém, o marido o qual ela não simpatizava, ignorando a sua sensibilidade e achando uma bobagem, se recusando a levar o seu piano para a  nova morada. Porém, o administrador George Baines, imediatamente interessado na mulher, adquire o instrumento e promete devolvê-lo caso ela lhe ensinasse a tocá-lo e as aulas se transformaram em paixão. Ele a enxergou! Ô é  que as mulheres querem....Entendeu?





Na época do lançamento do filme eu trabalhava numa editora que tinha os direitos autorais do livro e me lembro de que conversando com a Editora da casa, debatemos o quão esquecido as mulheres e seus talentos foram dizimadosn da história da humanidade. Poucas mulheres puderam realizar os seus sonhos e expressar os seus talentos, ou mesmo estarem registradas na história, com exceção de Cleópatra, Maria Antonieta (...) que sempre eram vistas como sedutoras e perturbadoras ou perturbadas. Eva que o diga. Para as mulheres restou a consolação: " atras de um grande homem há sempre uma grande mulher " 😞 e olhe lá!

Agora, voltando ao dia 04/04/2017 e às Redes Sociais Brasileiras, há uma campanha contra o assédio sexual no trabalho. No caso específico a bomba estourou na Rede Globo, a partir de uma denuncia feita por uma cinegrafista, segue o link:

Do caso



E da repercussão 



Hoje então,  artistas globais assumiram a causa "Mexeu com uma mexeu com todas" que iniciou-se num movimento de mulheres quando uma jovem argentina foi drogada, estuprada e morta, que gerou a campanha " Nem uma a menos".












Segue link



Não é novidade para ninguém que o assedio sexual na Globo não começou com José Mayer, o ator acusado,mas esperamos que se finde. Não é novidade para ninguém que em vários estabelecimentos profissionais, superiores (sejam homens ou mulheres) usam de seu poder para se satisfazer sexualmente, como já ensinou Maquiavel 





A novidade aqui o poder da disseminação via as redes. Agora, saímos do clichê feministas e falamos do poder feminino. Não se esqueça que mulheres de bem (nem todas) estão também galgando espaço na sociedade profissional e restabelecendo a ordem. 

Assédio Sexual é no mínimo cafona e no máximo insegurança. Vida longa a união feminina. 

































"FIM" 

que na verdade é apenas o começo 


😋😛