segunda-feira, 27 de novembro de 2017

Nossa impressão sobre Lima

nós no Cordon Blue muito bom


Conforme o combinado vou fazer um resumo da viagem que fiz ao Peru no mês de novembro de 2017. Fomos participar do Campeonato Sul-Americano de Va ´a (canoa polinésia ou havaiana)  o esporte  é tão novo em nossas águas que tem três nomenclaturas. Pode escolher ;-)


Ficamos uma semana na capital peruana, de 12 a 19 de novembro. O campeonato aconteceu na Praia de Los Yuyos em Barranco. O evento foi muito legal, a integração entre os atletas para mim foi o ponto alto. Além de todos os sul-americanos, com exceção dos paraguaios, tivemos a participação dos Taitianos, californianos, da turma da Ilha de Páscoa e do Panamá. 











Um momento emocionante foi o desfile da Venezuela na entrada das delegações, eram todos os latinos aplaudindo de pé. 


Rapa Nui (Ilha de Páscoa)






Equipe ativa do Panamá


O Brasil era a maior delegação e medalhamos.
Primeiro lugar no ranking.
Valeu Peru! 




______________________________


LIMA



A cerveja mais popular deles,
 em qualquer lugar, você vai encontrar. 






















Nós nos hospedamos no  Bayview, em Miraflores. O único senão é um pouco de cheiro de mofo nos quartos, vale ficar atento. Na hora de pagar a conta deve saber certinho em que valor estão negociando, há sempre uma certa confusão, proposital ou não, no valor indicado, se é em dólar ou soles. 

Ah um detalhe, o nosso hotel estava na esquina do Marriot onde estava hospedada a seleção da Nova Zelândia a rival do peru na final que decidirá se o país anfitrião iria voltar a copa do mundo depois de 35 anos, era uma multidão atazanados os pobres neozelandeses, quando finalmente o Peru ganhou as ruas viraram festa de final de copa, uma delícia. 



Esse é o " Maiz Tostado", servidos assim como aperitivos.
O milho gigante por lá é maravilhoso e esta em todos os pratos.  



Este é o suco de milho roxo.
Chicha é o termo que eles usam para tudo, é uma espécie de sorria, viva, seja feliz! 






























A localização é ótima, a um quarteirão do Circuito de Playas e do Shopping Lacomar (eu particularmente não sou muito fã de shoppings, mas , este é a céu aberto com boas lojas e restaurantes, tudo com vista para o mar, a dica é ir curtir um pôr do sol com bons drinks e pratos típicos da região. 






Lá, nós provamos o Tanta, uma versão pop do famoso Astrid Y Gastón, fomos no Shopping Lacomar (Miraflores), pedimos o prato mais tradicional e foi uma delícia. Os preços são sempre em torno de 20 a 40 soles. 



Tradição do Tanta- Lombo Salutado.


O pôr do sol em Lacomar. 


No circuito, vale alugar uma bike, la mesmo no Lacomar tem um ponto. Se não me falha a memória uma hora sai por 20 soles, lá você pode procurar o Umberes da Mirabici (+ 51 981584352). 


Umberes que aluga as bicicletas. 


Não faltou o tradicional passeio de ônibus para um reconhecimento da cidade. 























Notamos alí a sustentabilidade bem presente na gestão pública. Em uma terra que não chove, os jardins do circuito são muito bem cuidados e verdes, tendo a sinalização explicativa de que a água é reutilizada. No campeonato Sul-americano também havia coleta seletiva e explicativa do resíduo sólido (lixo). 


A vegetação dos barrancos, o que poderia ser um ponto feio se tornou uma graça. 






















Por causa dos ameaçadores e histórico terremotos e até de tsunami há redes de proteção nos penhascos que estão sendo tomados calculadamente pela vegetação. Os espaços públicos, ao menos os de Miraflores, Centro e Barranco, são bem arrumados e verdes. O espaço público é de fato utilizado pela população sem assombro ou medo. Mas é claro que sempre devemos estar atentos. 


Enquanto  nós no Rio de Janeiro, que não temos nenhuma ameaça natural, só política, que fizemos os encontros mais importantes da ONU na pauta da sustentabilidade (Eco 92 e Rio + 20) somos o oposto, lagoas e Baía imundas, violência e perigo de integridade pessoal constante. Ponto para eles. 






O único fator onde vimos a população preocupada e nos ajudando prestativamente são os taxis que costumam cobrar mais caro para os turistas, mas, nada que qualquer local não possa te dar uma estimativa de custo. Vale optar pelo uber, segundo eles ;-) 





Outra dica são os bares de Barranco, o bairro é uma espécie de Santa Tereza ( ruelas, casinhas e ateliê de artistas, muitos bares animados e ladeira, muita ladeira. Aliás, para passear em todo o Peru tem que ter coxa, tudo é íngreme. 

Barranco, a Santa Teresa de Lima. 


o grafite de Barranco. 



























Nós almoçamos no Juan, um restaurante bem turístico, no meio do despenhadeiro, mas, de comida farta, garçons simpáticos e conta justa. 


Nós no Juan, super tipico, mas legal. 




No centro da cidade fomos ao Cordon Bleu, apesar do nome da famosa escola de culinária francesa, lá você come muito, vem entrada que é uma espécie de purê de batata com atum e abacate, delicioso, pratos de frutos do mar e claro, o famoso ceviche, ah esse combo vem com uma garrafa de cerveja Cusqueña incluída. Éramos sete pessoas e saiu em média para cada um cerca de 100 soles. Vale! 













Já deu para perceber que o nosso negócio é esporte, passeio ao ar livre e comida ;-) Então se você não está com essa grana toda para frequentar os The Best como o Central e o Maído, considerados neste ano de 2017 os The Best da América Latina, e não tem muito tempo, o certeiro é o Chez Wong, recomendado pelos jornais The Guardian e Estado de São Paulo e também pelo nosso amigo e parceiro Marcelo Igreja (chefe de cozinha e especialista em comida peruana). O The Guardian chega a afirmar que se "você não puder comer mais nada no Peru, um lugar é imperdível o Chez Wong", e foi para lá que fomos. O bairro é simples, o local mais ainda, nem placa na porta tem, mas o dito mal-humorado Javiez Wong, um chino-peruano, nos enganou, ele é uma simpatia, veio na nossa mesa, nos serviu pessoalmente e se despediu desejando boa sorte na nossa competição. Lá não tem cardápio é ele que se inspira e escolhe o que servir, sempre tendo de entrada o tal ceviche, considerado o melhor DO MUNDO!!. Depois veio um misto de peixe no vapor com cogumelos e vegetais, com molho de laranja e amendoim. Vale sim a ida. Pragamos cada uma das três amigas cerca de 120 soles. 




Info








PS: todas as fotos são de Duda Fernandes

PS II: a proxiam dica será sobre o Vale Sagrado e Machu Picchu