quinta-feira, 3 de maio de 2018

Turismo Tribal com os Huni Kuin (Acre)

Dica de Catherine Ferran,




Para a turma tribal um lugar incrível para se conectar é o Acre e em especifico nas aldeias que ficam as margens do Rio Jordão e que atualmente abrigam cerca de três mil indígenas. 




Foi através do "Livro da Cura"  (Editora Dante) indicado por um amigo que a  nossa franco-espanhola  Catherine Ferran descobriu o povo tradicional desta região, a etnia Huni Kuni. E lá foi ela  em dezembro de 2016 participar do festival.  




Somente em dezembro a tribo abre suas ocas para os visitantes, estipulando uma lotação máxima de 80 pessoas

Segundo nossa turista foram poucos dias de permanência, mas, intensos. Catherine participou de rituais de cura que podem ser realizadas com banhos de ervas, defumação, rapés (folhas de fumo e ervas que são assoprado nos participantes), cantorias entre outros.





O povo Huni Kuin (Kaxinawá), cujo dialeto é hãtxa kui, fica próximo ao município do Jordão, distante 462 km da capital Rio Branco. Eles vêm atraindo a atenção da mídia e dos produtores de conteúdo cultural. 

Em recentes entrevista cedida pelo Pajé Tadeu Huni Kuni, em sua segunda "oca" esta na capital paulistana, para a badalada revista da colunista Joyce Pascowitch, conta que: "os artesanatos e roupas são feitos pelas mulheres e têm geometrias específicas que representam 63 animais...a estampa principal é da jiboia, que quer dizer natureza, terra". Jiboia esta que inspirou o jogo de videogame "Huni Kuin: Os Caminhos da Jiboia", criado antropólogo e idealizador do projeto, Guilherme Meneses, também paulistano. 



Video Gamme Huni Kuin: Os caminhos da jibóia






E foi ainda em São Paulo que o Itaú Cultural realizou a exposição  "Una Shubu Hiwea – Livro Escola Viva do Povo Huni Kuin do Rio Jordão". Que expõe a pesquisa que a editora Ana Dantes vêm realizando nestas tribos desde 2011. 






Depois do "Livro da Cura" (2011) que traz a tradição oral e o saber ancestral sobre plantas medicinais do povo Huni Kuina carioca Ana Dantes desenvolveu com eles dois cadernos sobre seus saberes. Os mesmos foram distribuídos para as escolas e pajés de cada tribo do entorno. 



O  objetivo é a troca de experiências e saberes.  Este trabalho ficou em cartaz no Itaú Cultural de São Paulo de dezembro de 2017 até fevereiro de 2018 e contou com a direção criativa do artista plástico Ernesto Neto, que também deixou suas pegadas nas terras Huni Kuni



Mas, para quem quer vivenciar esta experiência na própria tribo ou  saber das imersões que o Pajé Tadeu Huni Kuin faz pelo Brasil e exterior, abaixo os endereços para contato. 


Maiores informações:














 @guardioesshunikuinrj.